Vereadores se engajam no combate à dengue em Jundiaí

Com mais de 1,4 mil casos confirmados de dengue, a atual situação de alerta vivida em Jundiaí foi tema de reunião promovida pela Comissão de Saúde, Assistência Social e Previdência (COSAP) da Câmara de Jundiaí, nesta quinta-feira (16).

As ações que vem sendo realizadas foram apresentadas pela Unidade de Controle de Zoonoses, a Vigilância Epidemiológica e a Unidade de Gestão de Educação. Agora os vereadores serão multiplicadores dessas informações e buscarão formas de estreitar os laços entre os setores públicos e a sociedade para que todos contribuam para o combate à dengue. Participaram do bate papo os vereadores Dr. Wagner Ligabó, Edicarlos Vieira, Cícero Camargo e Valdeci Vilar, todos membros da comissão, e o vereador Cristiano Lopes.

De acordo com o último Boletim Epidemiológico, apresentado pela Unidade de Controle de Zoonoses, há em Jundiaí 2.981 casos notificados de dengue, sendo que 1.433 foram confirmados (1.352 – autóctones, 76 – importados, 5 – indeterminados) e 356 aguardam resultado. Em nível estadual, há registro de mais de 85 mil casos, seis vezes mais do que o registrado em 2018.

“O primeiro questionamento que gostaria de fazer é o porquê de estarmos vivenciando essa situação de alerta com tantos casos na cidade”, questionou o presidente da COSAP, Dr. Wagner Ligabó, ao abrir a reunião. Ele comparou os dados locais com o de cidades como Campinas, onde há mais de 11 mil casos, e Bauru, com mais de 16 mil casos confirmados, lembrando que medidas precisam ser tomadas para que não haja uma epidemia como estas em Jundiaí.

Em resposta, Carlos Ozahata, da Unidade de Controle de Zoonoses, explicou que os casos notificados são do tipo 2, que não tinha incidência na cidade há cerca de 10 anos. “É um outro tipo de dengue. As questões climáticas também contribuíram. Tivemos um verão muito intenso e chuvoso, seguido de um período de estiagem mais cedo do que o comum. Isso ofereceu condições ideais para que as larvas se proliferassem”, explicou.

Edicarlos Vieira sugeriu mais envolvimento da Câmara e dos próprios vereadores, como forma de engajar a população no combate à dengue. Diante disso, ele convidou as coordenadoras dos cursos de Meio Ambiente e Saneamento da ETECVAV (Escola Técnica Vasco Antonio Venchiaruti), Marivalda Negri e Márcia Valéria Massa Cavaletto, para participar da reunião. O resultado foi um início de parceria entre a Vigilância em Saúde e a escola para a divulgação do trabalho junto aos alunos.

Por sua vez, Cícero Camargo questionou a respeito do resultado do tempo de espera para o resultado do exame de sorologia da dengue. Quem respondeu foi a gerente da Vigilância Epidemiológica, Cinara Fredo. “Hoje Jundiaí trabalha com a sorologia, que é um exame feito a partir do 6º dia de sintomas. Ele demora mais de uma semana para ficar pronto mas nos oferece dados para a prevenção. O mais importante é que o cidadão não precisa e não deve esperar o resultado para iniciar o tratamento. Ele precisa ser orientado nas nossas Unidades de Saúde para que tome os cuidados adequados e evite andar na rua para não ser picado por um mosquito transmissor.”

Na ocasião, a gestora adjunta da Unidade de Gestão de Educação, Alda da Cruz Pinheiro, também expôs o trabalho que vem realizando com os alunos das escolas municipais, que são ensinados a respeito da prevenção e eliminação dos criados e, por sua atuação, chamados de “fiscais mirins” da dengue.

Ao final, todos os presentes destacaram que, o mais importante, é a prevenção. “Nós temos dificuldade em sensibilizar as pessoas e isso é fundamental”, disse Ozahata. “A melhor solução para combater a dengue é que todo mundo tire 10 minutos por semana e procure possíveis criadouros em sua residência. Eliminando esses focos, o problema também diminuirá”, destacou Fauzia Abbas Raiza, diretora de Vigilância em Saúde.

Quem esteve presente

A gestora adjunta da Unidade de Gestão de Educação, Alda da Cruz Pinheiro, e a coordenadora do Departamento de Educação, Katia Gutierres Ferigatti, a diretora de Vigilância em Saúde, Fauzia Abbas Raiza, o gerente da Unidade de Controle de Zoonoses, Carlos Ozahata, a gerente da Vigilância Epidemiológica, Cinara Fredo, a enfermeira Fernanda Oliveira, também da Vigilância Epidemiológica, bem como Mariana Marto, representando a Unidade de Gestão de Serviços Públicos.

Como convidados, ainda, estiveram presentes alguns munícipes, outros funcionários da administração pública, e, representando a ETECVAV (Escola Técnica Vasco Antonio Venchiaruti), Marivalda Negri e Márcia Valéria Massa Cavaletto, coordenadoras dos cursos de Meio Ambiente e Saneamento, respectivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *